quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Divina Transgressão


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Divina Transgressão

Árvores são acima de tudo as principais transgressoras da pretensa moral, e dos igualmente pretensos bons costumes, pois exibem a boa altura tudo aquilo que se tenta esconder sob estes dois mal fadados ícones da hipocrisia.

Grandes, belas, vistosas e convidativas, são a grande obra publicitária da propagação da vida, expõe a todos seu sexo, e são admiradas por isso, até mesmo por aqueles que escondem debaixo de suas longas e deselegantes vestes aquilo que deve ser entendido como vergonhoso, apesar de extremamente prazeroso.

Religiosos de todos os tipos se fazem de assexuados por baixo de seus paramentos rituais, mas habitam grandes prédios com vastos jardins, e com árvores extremamente bem cuidadas, que ao florir e frutificar embelezam com seu sexo esteticamente perfeito tais lugares.

Padres e freiras mortificam seus corpos em busca de uma fantasiosa pureza sem sexo ou desejo mergulhados em meio ao sexo ornamental, aram a terra e alimentam-se do fruto desta relação tão perfeita e sem qualquer sentimento de culpa por ser o que se é sem ligar para o que se possa pensar.

Velhas senhoras puritanas enfeitam suas casas com flores, que são nada mais do que grandes e vistosas genitálias, assim como os frutos destas divinas transgressoras que jazem nas fruteiras de suas copas, onde costumam cuidar da vida alheia.

Uma árvore pouco retira de onde quer que esteja plantada, mas muito dá àqueles que dela se valem para suprir suas vidas, a quaresmeira, o ipê roxo, o jacarandá, e muitas outras parecem florir em dor pela morte do cristo no final do verão, mas isto é pura fantasia, sua mais pura verdade é a perpetuação da vida, a exibição sem culpa do sexo .

Perdoai-me Catulo da Paixão Cearense, mas a flor de maracujá não pranteia o cristo, ela simplesmente é a mais linda flor de trepadeira, que por tanto trepar se exibe intumescida e plena exalando o sexo que jamais foi um pecado.

O Abacate e a manga são verdadeiros úteros que levam dentro de si a vida protegida e pronta para brotar no chão aberto e molhado, sua polpa é quase como a carne ao toque das mãos, seu formato quase vaginal parece ser chacota do criador ao deitar-se na fruteira da sala da família conservadora algumas dúzias que se entremeiam por fálicas bananas.

Então visita o vigário a casa da senhora de tradicional e pudica família, sob sua batina negra um corpo de homem não se deixa ver, mas na mesma sala flores de laranjeira, e frutas sobre uma grande fruteira dão testemunho da verdade, e não deixam a hipocrisia vencer, o padre serve-se de uma fálica banana para não tocar a si mesmo e não assumir seu tesão pela ranzinza velhota.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Um comentário:

Esterança disse...

Obrigada amigo Zisco!

pelas palavras sempre tão carinhosas referidas a mim!

Tenha um lindo final de semana,
Deus o abençoe!!