sábado, 7 de fevereiro de 2009

Olhos Que Dormem


Olhos Que Dormem

A noite é o momento mais triste.

Sem luz, sem cor, nela teus olhos dormem, o verde se vai.

Se dormes de tarde, ela noite se faz, triste e tenebrosa, aguardando o sol.

Por trás das tuas pálpebras, escondes a tua jóia luminosa, teus olhos verdes.

No meio da noite brilha nossa casa iluminada por teus olhos se teu sono foge, o dia brilha em meio à escuridão.

Por mais forte que seja o sol em pleno meio dia, não se compara com teu brilho, com o brilho do teu olhar.

Se fechares os olhos durante o dia, este se faz noite mais cedo, dormem todos os outros olhos, dormem, pois não sabem como teus verdes olhos brilhar.

Pálpebras que escondem teus olhos não são nada além de pele, escondem o teu brilho do mundo enquanto dormes.

Peles que cobrem outros olhos escondem muitos mistérios, mas ao esconderem teus olhos dos meus fazem sumir o mundo.

Acorda e deixa o teu olhar cair sobre mim, me tira desta morte ao acordar, me dá nova vida no verde do teu luminoso olhar.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.




4 comentários:

Avassaladora disse...

Olhos verdes...
Olhos que dormem...
dois textos lindos!
Feliz desses olhos que recebem tanta poesia...

E feliz de mim que tenho um vizinho tão carinhoso...
Adoro quando recebo sua visita...

Bjs

Avassaladora disse...

Sarcástico voce...rs
Gostei da provocação!

Um beijo!

Delírios das Borboletas disse...

Lindo poema, aliás todos são lindos!
bjs

Esterança disse...

Obrigada amigo!

Sua amizade me fortalece, e com certeza não é uma amizade silenciosa.. rs


beijos,